.

.

.

.
Recebo-te com flores,
abraço-te em luzes,
entrego-te meus sonhos,
escritos e descritos
em cada frase sentida.

⊰Marcia Mattoso⊱

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

NATAL


Nosso natal não tem neve,
o sol é de torrar,
nossos corações se aquecem
e não se esquecem de sonhar.
Sonhos de um mundo melhor,
de vida que não tenha fim,
sonhos de se ter tudo
e nada assim em mim.
Continuamos vivendo, sonhando,
pela vida caminhando.
Novo ano se inicia,
desembrulhamos velhos planos,
antigos sonhos, desejos
e promessas que mantemos.
[ano após ano]
Dificilmente cumprimos,
mas nunca desistimos.
Natal de luz, sonhos, paz, amor
e que no novo ano
tenhamos tempo para continuar
vivendo, amando
e aprendendo a sonhar.

Marcia Mattoso


segunda-feira, 12 de outubro de 2009

SER CRIANÇA

 
Pique-esconde, pula corda,
dono da rua, amarelinha
vou brincando, vou brincando,
eu e minha netinha.
Os filhos já cresceram
e pensam que são gente grande
não sabem o quanto é importante
ter uma alma vibrante.
Livre, como o vento no rosto
na corrida de bicicleta,
ou pelo simples gosto
de viver uma aventura secreta.
Leve, como o riso suave
de uma criança que brinca,
pula, canta e dança,
mesmo que muita sede sinta,
continua e não se cansa.
Logo a vida vai mostrar,
eles vão se encontrar
e com sua alma serena
viver tudo que há.
E eu?
Eu quero mais é brincar,
brincar de ser criança
pois minha alma assim é,
viver a vida a dançar
na eterna esperança
de continuar a ser menina
mesmo sendo mulher.

Marcia Mattoso

sábado, 3 de outubro de 2009

RETRATOS URBANOS

Me vejo completamente encantada e apaixonada por 'Sampa" e em especial pela Avenida Paulista e acabei por escrever (segundo meu amigo, o poeta César magalhães Borges) a minha primeira crônica, uma crônica urbana. Legal! Gostei da experiência, pois até já li essa crônica no microfone no Bardo Batata, estou evoluindo, aos poucos, graças a essa terra de ninguém, terra de todos!


AVENIDA PAULISTA

Caminhando, longa avenida, plana e de largas calçadas. Noite, carros, luzes.
Numa esquina, a música que um garoto toca na guitarra, grita desesperadamente. Coitado, que horrível! Não toca mal, mas desafina o tom e desafia o som.
Casais de todos os tipos, meninos que se agarram, meninas que se beijam na boca, um coroa e uma garotinha (será pelos seus belos olhos?), peruas empetecadas em altos saltos, homens que se desengravatam pedidindo por liberdade.
Sexta-feira, happy hour que se prolonga noite afora, madrugada adentro. Ciclistas voam e skatistas divertem-se em manobras radicais. Mesas nas calçadas e lá nas beiradas, fumantes pagando pelo pecado do seu vício, pobres mortais ! Em rodinhas de bate papo, alguns buscam companhia, outros buscam solidão num copo de ilusão.
Alguém vem oferecer um brinco, é um artesão poeta que se empolga, declama sua vida e não reclama sua sina. Artistas se encontram, a vida desacelera, os carros, os passos, a rua muda de ritmo diante da lua e assim segue a noite na paulicéia...
Desvairada? Como nunca! Sempre!

Marcia Mattoso


DOMINGO NA PAULISTA

Dia preguiçoso...nublado, mas não chuvoso. Frente ao parque, barracas e badulaques, muita gente, muita bagunça, muita sujeira e confusão. Um lixo diferente, desses que vem de gente que para, gente que come e joga tudo no chão, em um canto qualquer, sem remorso pelo que vier junto com a próxima chuva.
Atravesso a rua e tropeço em algumas cadeiras. Na esquina uma mulher vende cosméticos em uma carriola, logo em seguida, sobre um pano no chão, dragões de papel (ou serão dinossauros?), saltam-me diante dos olhos.
Mais adiante, uma cigana com sua mesa improvisada em um caixote, cheia de brilhos e cores, tenta ler para alguém o futuro e alguns amores (ou serão dores?).
Continuo a caminhada, carros de latas de óleo, modelos antigos, feitos à mão com cuidado e paciência. Ao lado, um grafiteiro esborrifa seus sprays sobre papéis, mostrando que esta é a sua arte, seja onde for, seja do modo que for.
E de arte em arte, sigo meu passeio. Arte por toda parte, de todas as formas, em todos os lugares. Vejo a obra de um artista pela enésima vez, em uma única semana vi, revi, tornei a ver, por tantas vezes que nem sei. As luzes vistas de longe em contraste com as cores suaves, vibrantes!
"Cenas da vida de um pintor."
Sinto-me caminhar entre nuvens e encantar-me por Deuses que parecem querer sair da tela para me tocar. Tenho que voltar, sair deste transe hipnótico pois a galeria vai fechar, subo a escadaria e continuo a romaria.
Um rapaz sem camisa e fones nos ouvidos passa ao meu lado voando sobre patins e ainda envolvida pelo toque dos Deuses, não presto atenção em nada e continuo a caminhada, vou por rumo até ser parada por uma palavra: "Poesia?".
Volto a olhar e vejo um casal de poetas sentados em um degrau com um pequeno livro nas mãos (produção independente) onde colocaram seus poemas e suas vidas. Compro um livro e converso com eles, ela é também artesã, trabalha com a palha do buriti, um casal como nunca vi, felizes com sua arte e partilhando cada um dos seus momentos com doçura e ternura. Trocamos idéias, e-mails, figurinhas. Voando, retorna o rapaz dos patins e salta na esquina me trazendo de volta para vida.
Então sigo para a Casa das Rosas, onde a poesia faz a sua moradia em versos e prosas...

Marcia Mattoso


SEMANA NA PAULISTA

Gente que vem,
gente que vai,
corre, entra e sai,
movimentos maquinais
nas rotinas matinais.
Homens com seus paletós
tristes de dar dó,
presos em gravatas
que mais parecem
algemas baratas.
Mulheres elegantes,
perfumadas, radiantes,
parecem ter saído
de alguma revista de moda,
de saltos altos e maquiadas
(mas já parecem cansadas!)
Na correria do dia a dia
todos mascaram alegria.
Chega a hora do almoço,
"Onde tem um fast food, seu moço?"
Comem com pressa,
sobra tempo
para uma breve conversa.
Novamente correria,
continua o dia,
no mesmo ritmo
e sem nenhuma harmonia.
Chega o fim da tarde,
botecos lotados,
cervejas geladas,
conversas fiadas,
beijos molhados.
Prévia para um novo dia
que voltará
com a mesma alegria,
agonia, rotina.

Marcia Mattoso

domingo, 13 de setembro de 2009

NOTÍVAGA

Sou bruxa,
amo a noite
e a escuridão.
A lua cheia
me transforma,
me transporta
para outra imensidão,
outra dimensão,
cheia de loucura,
luxúria e paixão.
Não tenho medos
ou receios na noite,
na madrugada,
na caminhada,
no silêncio,
ou na solidão gelada,
a noite me acalma,
me inspira, me excita.
Meu mundo
gira na noite,
gatos pardos,
sonhos dourados,
céus estrelados.
Sou artista,
sou amante,
sou errante,
criatura da noite.

Marcia Mattoso

AMARRAÇÃO


És louco,
tens na voz o dom
de emudecer quem
o escuta,
numa atenção fatal.
És rouco, sensual,
pornográfico, letal.
És o tesão mortal,
nesse sonho sem igual,
de uma vida imoral
sem ser normal.

Marcia Mattoso

terça-feira, 8 de setembro de 2009

DE BRAÇOS ABERTOS


De braços abertos para a vida,
de braços abertos para o mundo,
de mãos dadas com o sonho,
agarrada com o amor.

Marcia Mattoso

ESSE CORAÇÃO

Ah, esse coração!
Bate descompassado,
triste e descontente,
[doente]
tenta ser contente
e constante,
mesmo distante.
Insistente, mente,
simplesmente
por ter medo
de perder
sem ter, nem ser.
Nem sente,
descompromissado,
talvez nem tente
ser novamente
e somente mente,
pois tem medo
de partir.

Marcia Mattoso


SEM RETORNO


Me sinto caminhar para a frente,
me sinto forte, me sinto flutuar
e, por vezes, voar.
Tranquila e serenamente,
tento pousar e repousar,
mas o mundo parou e nada mudou,
apenas o tempo passou.
O dia a dia nada transformou,
o cotidiano continuou intocável e imutável,
[torpor terrível]
Na mesmice de outrora, o tédio vigora.
Torno a voar, outros céus e sóis
[hei de encontrar]
novos mundos, novos sonhos,
horizontes, nova vida se revela.
Mudou você, mudei eu, ou mudamos nós?
Não mudei, apenas retomei o meu papel,
minha postura, minha história.
Retomei as rédeas da minha vida
sem direito a retorno, ou devolução.

Marcia Mattoso

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

AMOR DE OCASIÃO

No começo, uma paixão,
uma loucura na solidão,
então virou ilusão,
um sonho na imensidão
da decepção.
Depois foi emoção,
casual, sensual,
banal, carnal.
Transformou-se,
caso do acaso,
no encontro desencontrado,
do coração descompassado,
no amor descompromissado.
Sem exclusividade,
sem definição,
um amor de ocasião.

Marcia Mattoso 

QUESTÕES


Serei novamente EU?
Serei novamente feliz?
Terei novamente alguém?
Terei novamente paz?
Quero pouco,
ou será que é muito?
Sonhos para sonhar,
canções para encantar,
amores para amar.
Será muito desejar?

Marcia Mattoso




domingo, 16 de agosto de 2009

PERDIDA



Pés no chão, cabeça na lua,
assim sou...
vivo a tropeçar pelo caminho,
em total desalinho.
Minha vida é vazia,
minha alma é vadia,
minha mente é vulgar.
Meto os pés pelas mãos
em constante confusão
e sem nada a declarar,
viro meu mundo
de pernas para o ar.
Minha cabeça não pensa,
meu corpo padece,
carece de alma,
meu coração se aquece
e se esquece de brincar
de amar...
sem pensar, sem sonhar.

Marcia Mattoso

- Niterói, 01/08/09 -

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

SOL DA VIDA

Mal começa o dia, muito barulho
e confusão na construção.
É a vida lá fora!
Uma luz forte entra pela fresta
da janela, na cortina.
É o sol lá fora!
Um sol lindo, brilhante, radiante,
como há muito não se tinha,
não sentia, não se via.
A vida me chama, pede pra acordar,
pede pra levantar:
"Vamos, Aproveita o dia,
deixa a vida te levar!"
E o sol a iluminar, levanto mais feliz,
vivo o que o momento diz,
saio a caminhar, pés descalços
na areia ainda gelada na praia.
Sol forte na manhã, leve brisa no ar
e eu a pensar em tudo, em nada,
doce caminhada!
Momento único, mágico, precioso,
Onde me encontro, cabelos ao vento,
na areia, junto ao mar, a me deliciar,
com o brilho intenso de um sol majestoso
e da vida a clamar por vida.

Marcia Mattoso

- Santos, 13/08/09 -

domingo, 9 de agosto de 2009

PAPAI

Papai, te amo!
Te amo por tudo
te amo por nada...
pelas palavras
sempre tão precisas
e certeiras em cada problema.
Um homem bravo, rígido,
mas que hoje vejo,
era meigo e apaixonado
por nós todos, os seis filhos!
Te amo em cada bronca,
cada olhar de censura,
tudo que eu detestava
e que hoje sinto falta.
Sinto falta de você!
Mas sinto...
você nunca me abandona.
Sei que chora comigo
quando choro,
sorri quando me vê feliz.
Sei que você sempre me amou,
a seu modo, amou muito!
E hoje eu percebo,
como foi bom ter você comigo!
Papai, te amo...
sempre e para sempre!

Marcia Mattoso

terça-feira, 4 de agosto de 2009

CHUVA

Chuva fina na caminhada,
passo a passo, passo
na calçada iluminada.
Sinto um braço, num abraço
a me aquecer,
mas ao olhar, nada acho,
não encontro você.
Chuva fina, minha sina
é te buscar,
me defina nesta arte
de amar, desejar.
Chove lá fora,
chove minha alma,
que nunca acalma.
Chove, chuva, chuva, chove.

Marcia Mattoso

segunda-feira, 27 de julho de 2009

BATER ASAS


Quero soltar minhas amarras,
libertar minhas vontades,
transgredir todas verdades,
digerir minhas vaidades,
bater asas e voar!

Marcia Mattoso

A TE SEGUIR

Tua voz a seduzir
teu olhar a sugerir
e eu a te seguir.

Marcia Mattoso

VIDA INCONSTANTE


 
A vida esgota-se,
desfalecida, exaurida.
Extingue-se corrompida,
asfixia-se, enfraquecida.
Afoga-se em recessos,
abrevia-se em processos,
dilacera-se!
Desvendam-se horizontes,
revelam-se os instantes,
rebelam-se os amantes!

Marcia Mattoso

MALIGNA


O inferno é ela...
Cheia de péssimas intenções,
toma partido das facções,
mal intencionada,
muito bem entrosada,
em teorias de conspirações.
Olhos vermelhos,
olhar fulminante,
boca encarnada,
língua afiada, envenenada!
Voz irritante,
aguda, esganiçada,
estridente, gritante.
Num grito frente a um espelho,
sem reflexo, sem qualquer nexo,
muda de alma,
como quem muda de roupa.
Histérica, louca, dando cria
[com a voz rouca],
a uma insanidade [tão pouca],
repleta de escuridão e maldade.

Marcia Mattoso

ME PERDOE

Me perdoe
a falta de tato,
o excesso de carinho,
o estrangulamento
do espaço.
Me perdoe
pelos problemas
da minha alma pequena
e pelos lamentos
na sua falta de tempo.
Me perdoe
por falar demais,
por querer demais
e por amar demais.
Me perdoe
por isto ou por aquilo,
por este ou por aquele.
Apenas sinto muito
e peço que me perdoe
e se quiser, me ame!

Marcia Mattoso

QUERIA


Queria dizer que te odeio,
queria dizer que não te quero,
queria dizer que não te sinto.
Queria viver sem te pensar,
sem te sonhar, sem te esperar.
Queria dormir sem acordar!
Queria que o tempo passasse,
queria que tudo mudasse,
queria que você voltasse
a me querer amar.
Queria mas não posso,
não posso ser alguém
para quem me acha ninguém.

Marcia Mattoso


domingo, 19 de julho de 2009

ESPERANDO VOCÊ

 
Esperando você,
tudo é sem graça
e o tempo não passa.
Esperando você,
nada tem cor
e nem sabor.
Esperando você,
chora triste a natureza.
Esperando você,
não penso em riqueza.
Esperando você,
só vejo beleza.
Esperando você,
onde você está?
Continuo a esperar.

Marcia Mattoso

*Escrito em algum dia entre os anos de 1977 e 1978

SOU REAL


 
Sei que às vezes
pareço ser insuportável,
pareço ser metida,
mas minha alma é criança.
Sou real,
vivo com a cabeça na lua,
olhos no céu, coração no sol.
Tenho música nos ouvidos,
sensações em cada toque.
Sou cheia de defeitos,
mas busco a perfeição,
não tenho máscaras,
nem uso disfarces,
me divirto até sózinha.
Continuo a te amar,
mesmo que te odeie.
Sou menina, sou mulher
que sabe o que quer,
quero fazer você descobrir
qual o segredo que me faz
ser feliz e viver a sorrir,
o segredo da menina
e o desejo da mulher.

Marcia Mattoso


POR DETRÁS


Por detrás dos sonhos,
o mundo.
Por detrás do mundo,
o tempo.
Por detrás do tempo,
o momento, o movimento,
a vida.
Por detrás da vida,
os sonhos, o amor,
você!

Marcia Mattoso 

EU SOU ASSIM


Eu sou assim
e quem quiser
gostar de mim,
que me aceite
como sou.
Tenho dias e dias,
dias de anjo,
dias de bruxa,
dias de Marcia,
dias de Melena,
dias de Má,
dias de Mel.
Sou de lua,
sou do sol!
Sou apenas eu,
inconstante,
escancarada,
explicitamente
EU!

Marcia Mattoso

POR INTEIRO


Aos pouquinhos,
vou te conhecendo,
pedacinhos seus,
gostos, atitudes,
gestos, expressões.
Um dia terei você
por inteiro!

Marcia Mattoso

VOCÊ É O AMOR



Você é um bem necessário,
um mal que não tem cura,
uma busca, uma procura,
um encontro.
Você é o brilho do sol,
a luz da lua, a alegria pura.
Você é o som do mundo,
o tom do riso, a cor da vida,
a partida e a despedida.
Você é a brisa suave,
sentida e lenta, você é o amor.

Marcia Mattoso

CALA NA BOCA



Cala na boca
o silêncio da alma
que acalma
a vida que inflama
e reclama
as dores do mundo
em um segundo.
Cala na boca o sentido
de existir,
cala na boca a vida.

Marcia Mattoso


BUSCA


Busco o sorriso
no seu rosto tímido.
Busco a alegria
de ter você comigo.
Busco teus segredos,
teus anseios, teus receios.
Busco teus olhos,
tuas mãos, tua acolhida.
Busco um ponto de partida
nessa vida dividida.
Busco você na minha vida,
busco você, minha saída

Marcia Mattoso

(Escrito em 08/08/08)



CALOR



CALOR

Calor que aquece a alma...
aquece os corpos...
seduz!
Calor que acalma...
embriaga...
conquista!
Calor que exala...
amores...inspira!
Calor...suor...
amor!

(Marcia Mattoso)

FRUTO PROIBIDO


FRUTO PROIBIDO

Sou eu...
um fruto proibido,
dividido...
perdido!
Sou o teu único prazer,
um pecado para se perder,
a razão para o teu viver!
Sou o teu inicio,
o teu meio,
mas sem fim...
sou o teu desejado enfim!
Sou a tua insana escuridão
sou um vulto na imensidão...
sou tua abstração...
tua emoção...
sensação!
Sou toda tua...
toda nua...
tua lua!
E não há como fugir
dessa minha febre de sentir...
meu desejo desvairado
de te possuir,
seduzir!

(Marcia Mattoso)

sexta-feira, 17 de julho de 2009

SOLIDÃO

SOLIDÃO

Olhos fixos no céu...
alma na terra.
Onde estás?
Onde estarei?
Quem és?
Quem serei?
Sem ti...
sou pouco,
sou quase nada.
Não resisto
a outra madrugada
gelada...
só!
Esperando ser amada...
encantada...
sol!

(Marcia Mattoso)

ENIGMA


ENIGMA

Sou um enigma
a ser desvendado...
uma página em branco,
uma mente sem rosto,
um rosto
por detrás da máscara...
vontades...
vaidades...
verdades...
mentiras.
Sou o que sou...
nem louca,
nem normal.
Muito de bela,
muito de fera...
nada de nada,
um pouco de tudo!
Apenas um enigma...

(Marcia Mattoso)

EU E VOCÊ...

EU E VOCÊ...

Somos o corpo
que dança,
somos a cabeça
que pensa e...sonha!
Somos um
sem ser nenhum...
somos a razão
e o querer,
o ter e o poder...
a vontade e a certeza,
a emoção e a sensação...
de viver...
sem ter...sem querer...
sem razão...sem poder!!!
Apenas ser...
eu e você!

(Marcia Mattoso)

NA SOLIDÃO DO QUARTO


NA SOLIDÃO DO QUARTO

Na solidão
do quarto...
penso,
reflito,
me iludo...
doce ilusão!
Amor...
aflora,
devora
e chora!
Me busco,
te busco,
me perco...
te encontro!
Sonho...
fascínio,
ilusão...
razão!
Desperto...
alerta,
incerta,
liberta!
Venha...
minha porta
está aberta!

(Marcia Mattoso)

NO MEU QUARTO

NO MEU QUARTO

No meu quarto
eu me perco.
No meu quarto
eu me encontro.
Meu quarto...
meu canto.
Minha canseira,
meu sufoco,
meu desgosto...
divididos
com o travesseiro.
Minhas alegrias,
minhas fantasias,
meus segredos...
Meu quarto,
meu aconchego.
Meu quarto...
meu canto.
Meu canto...
meu sossego.
Meu sossego...
minha paz!

(Marcia Mattoso)

PENSE ANTES DE AGIR



Observa tudo,
enxerga tudo
e guarda em ti.
Teu conhecimento
é necessário,
pense antes de agir.

⊰Marcia Mattoso⊱




RASTROS DE LUZ



Algumas pessoas
por onde passam,
deixam rastros
de Luz e Esperança,
deixam rastros de Paz!

⊰Marcia Mattoso⊱






SERES



Pelo caminho
rastros, traços,
vestígios, sentidos,
seres a mostrar
e descobrir a Luz,
anjos que guardam,
protegem, equilibram,
sustentam o corpo,
brilham a alma.

⊰Marcia Mattoso⊱




TE ABRAÇO


Te abraço num abraço do tamanho da Vida!

⊰Marcia Mattoso⊱



CALA-TE


Cala-te!
Ouça o silêncio,
escuta a voz
do teu coração
e os ecos
da tua alma.
Aceita-te em Paz!

⊰Marcia Mattoso⊱



TEM UMA BRUXA A TE OBSERVAR...




.

.